sexta-feira, 24 de julho de 2009

Despedida branca

Se eu estivesse ali todo o tempo, creio que contaria 57 vezes. 57 tentativas – todas frustradas. Eu torcia, orava, incentivava! Queria muito que ela conseguisse. Como queria desvendar todos aqueles sentimentos em letras, pontos e vírgulas! Como queria compreender tudo o que se passava naquele coração que, tão recentemente, abrira-se para uma nova realidade por vir.
Mas nada.
Nem uma letra.
Nem uma frase.
Parágrafo? Muito menos.
Resignada, ela olhou para a tela do computador – branca como nunca lhe havia parecido tanto. Dirigiu o mouse ao X no canto da página e agradeceu pelos textos já escritos. Fechou.

2 comentários:

Mr Bean disse...

quem entendeu, entendeu...e confirma a pessoa linda que vc é.

Zoraida disse...

eu entendi, parabéns, as vezes devemos reconhecer a hora de se calar e ouvir o nosso silencio